sábado, 22 de novembro de 2014

Cantar o ciclo do natal

CANTAR O ADVENTO

O ano litúrgico da nossa igreja possui dois ciclos fortes, o ciclo da páscoa que se inicia na quarta-feira de cinzas e termina no domingo de Pentecostes e o ciclo do natal que inicia com o primeiro domingo do advento e termina no Batismo do Senhor.
Estes dois momentos possuem características em comum, temos três momentos:
- A Preparação ( no ciclo do natal trata-se do advento);
- A própria festa ( o Natal );
- O Prolongamento ( da festa, o Natal ).
Entre estes dois ciclos, temos o tempo comum, logo após o ciclo do natal temos o primeiro momento do tempo comum onde Jesus dá inicio as primeiras pregações e logo após o ciclo da páscoa temos um segundo momento do tempo comum onde revivemos tudo que Jesus disse e fez para nossa salvação.
O Advento inicia o Ano Litúrgico da nossa igreja e nos prepara para o Natal, a encanação do verbo de Deus, e inicia sempre no mesmo dia, após a festa de Cristo Rei, O advento possui quatro domingos, tempo de atenta vigilância e escuta da Palavra, de feliz expectativa pela vinda do Senhor. “ Senhor vem Salvar teu povo das trevas da escravidão...” Esperamos a chegada do Salvador e suplicamos: “Vem, Senhor Jesus!”.
Existem gestos próprios neste tempo (a escuta atenta a Palavra, a Coroa do Advento, a Novena do Natal, o uso da cor própria, celebrações de reconciliação, gestos de solidariedade...).
Já nos cantos litúrgicos também são próprios pois marcam um tempo de sobriedade e têm uma função importante, primeiramente devem ser inspirados nos textos bíblicos que falam da vinda do Senhor, Deus-Conosco, Emanuel. Como já sabemos os salmos responsoriais e a aclamação ao evangelho acompanham o sentido das leituras. Devemos escolher e preparar bem os cantos que mais estão em sintonia com a Palavra, ter a espiritualidade dos momentos rituais, dando destaque ao Ato Penitencial, ao Santo, à Aclamação Memorial, ao Cordeiro de Deus, faz muito bem antes da celebração cantar algum refrão orante para introduzir ao momento de oração a assembleia.
Aos instrumentistas e instrumentos musicais sejam também silenciados, fazendo um acompanhamento mais suave e discreto. Lembrando que no Advento não se canta o Glória (Hino de Louvor), porque é tempo marcado pela sobriedade.

Partituras para o Advento Clique o link: 
Advento ano A
Advento anos B e C



Natal

O nascimento do sol invencível, o Emanuel – “A palavra se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14).
Neste tempo Deus envia seu filho primogênito para se tornar humano e por meio dele nos divinizar, por isso a salvação entra definitivamente na história humana. Cristo é nosso sol invencível, e onde havia trevas se encontra a luz, por que ele venceu as trevas e sua luz brilhou na noite escura.
Esta é a festa do amor, da compaixão e fraternidade, Deus nos devolve o paraíso na encarnação do verbo de Deus. Jesus é verbo e não substantivo é Ele quem dá a ação de fazermos acolher o outro como irmão é o rosto de Jesus transfigurado no irmão, nascemos todos para uma nova vida.
Temos vários símbolos que expressam o mistério que celebramos:
Ø  Luzes;
Ø  Sinos;
Ø  O branco;
Ø  Flores;
Ø  Incensos.
Mas o importante mesmo é a Eucaristia, e o Mistério Pascal que a envolve, a Palavra se fez carne e habitou entre nós, onde havia trevas agora é luz “Resplandeceu a luz sobre nós porque nasceu Cristo o Salvador...”
Os cantos devem inspirar nas sagradas escrituras, dizer sobre a liturgia do natal, estar de acordo com o momento ritual celebrado. Temos um canto que durante o advento foi retirado pela sobriedade da liturgia, mas agora volta com grande importância o “Gloria”, Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amado..., canto dos anjos na noite santa de natal, levem a boa notícia pois nasceu para nós o Salvador, o Deus conosco, Emanuel.
Os cantos devem trazer a tona à luz radiante de Cristo na noite escura, falar sobre o acontecido, “nasceu-nos hoje um menino e um filho nos foi doado...”.

Partituras para o Natal acesse o link:
Natal anos A, B e C

Prolongamento do Natal

O tempo do Natal se prolonga até a Epifania (Manifestação do Senhor) (entre 2 e 8 de janeiro), concentrada na adoração dos magos: Também é chamada “Festa da Luz”, por ser uma contemplação do Cristo como luz das nações.
A festa do Batismo (domingo após a Epifania), encerra o ciclo do Natal: “Este é meu Filho muito amado. Ouvi-o!”(Mt 3,17), lembrando sempre que os cantos devem expressar o mistério celebrado.